Essa modalidade de crédito se aplicada a servidores públicos, beneficiários do INSS e funcionários da iniciativa privada cujo empregador estabeleceu um convênio com alguma instituição financeira. As parcelas para quitação dessa dívida são descontadas direto da folha de pagamento ou, no caso dos aposentados, direto do provento de aposentadoria.

Em setembro de 2018, foi aprovada uma lei que possiblita que o FGTS seja usado como garantia para o crédito consignado. Dessa maneira os trabalhadores que possuam saldo em conta FGTS agora podem ter acesso à taxas de juros de até 3,5% ao mês.

A parcela mensal do empréstimo consignado pode corresponder a no máximo 30% do salário do trabalhador, ou do benefício do aposentado. Porém, é possível chegar a 35% de consignação, utilizando de margem adicional permitida apenas ao cartão de crédito do consignado.

Além disso, o crédito consignado INSS tem como prazo máximo 72 meses. Já os demais (público, privado e com saldo em conta FGTS) podem ser divididos em até 96 parcelas mensais.

Nós escrevemos alguns artigos sobre essa modalidade no blog. Se quiser saber mais clique aqui e aqui



Encontrou sua resposta?